Sindicato dos Aeroviários no Estado de São Paulo
Quinta, 08 de dezembro de 2022

Fusão de Azul e Trip

04/06/2012

 

Em mais um movimento de consolidação do setor brasileiro de aviação civil, as companhias aéreas Azul e Trip vão unir suas operações, disseram ao 'Estado' fontes próximas ao alto escalão de uma das empresas. Embora a transação esteja sendo chamada de fusão nos bastidores, a Azul será majoritária na nova companhia. O negócio deve ser anunciado hoje ao mercado, depois de seis meses de conversas entre executivos das aéreas.
 
Com a operação, antecipada pela colunista Sonia Racy no último sábado, a nova companhia ganhará musculatura e se isolará como terceira grande força da aviação brasileira, posição já ocupada hoje pela Azul, com menor folga. Juntas, as duas tinham 14,1% do mercado doméstico de passageiros em março, último dado divulgado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) - Azul, com 9,9% e Trip, com 4,2%. TAM e Gol detém, respectivamente, 38,2% e 34,4% do mercado.
 
A concretização do negócio ainda depende do aval da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), que deve analisar o lado financeiro da operação, e do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), responsável por julgar questões relativas à concentração de mercado.
 
No dia 10, em um evento realizado no Rio pela revista The Economist, questionado sobre os rumores de que a companhia negociava com uma concorrente, o fundador da Azul, David Neeleman, não confirmou nem negou a informação: "Não há nada que eu possa dizer sobre isso agora".
 
Segundo o Estado apurou, o grupo de acionistas da Azul terá 80% da nova companhia. Já os investidores da Trip ficarão com os demais 20%. As fontes ouvidas pela reportagem disseram que será Neeleman, empresário norte-americano nascido no Brasil, quem dará as cartas na empresa, mas não souberam detalhar como ficará distribuída a participação dos acionistas individuais que compõem o capital das duas aéreas. Hoje, além de Neeleman, fundos de investimentos integram o capital da Azul, entre eles o Gávea e os estrangeiros TPG e Weston Presidio.
 
Já a Trip tem 20% de suas ações nas mãos da companhia aérea SkyWest, dos Estados Unidos, e o restante está com os controladores (grupos Caprioli e Águia Branca). É provável, segundo uma fonte, que o atual presidente da Trip, José Mario Caprioli, fique com um assento no Conselho de Administração da nova empresa.
 
O entendimento entre a Azul e a Trip acontece pouco mais de um ano após a empresa regional assinar, com a TAM, um acordo não vinculante para vender 31% de suas ações à líder do mercado doméstico. O negócio, entretanto, acabou não indo para a frente. A Azul e a Trip não quiseram comentar o assunto.
 
 
fonte : GLAUBER GONÇALVES / RIO - O Estado de S.Paulo