Sindicato dos Aeroviários no Estado de São Paulo
Quinta, 09 de Fevereiro de 2023

Companhias aéreas pressionam por voos com apenas um piloto, apesar das preocupações de segurança

22/11/2022

flightdeck-750x375

Operadores de companhias aéreas e reguladores da aviação civil em todo o mundo estão pressionando para pilotar aviões de passageiros com apenas um piloto na cabine para cortar custos.

Se aceita, a configuração de um piloto reduziria os custos do cockpit, além de ajudar as companhias aéreas a lidar com a falta de tripulação de voo. No entanto, alguns acham desconcertante colocar tal autoridade nas mãos de uma única pessoa.

A fim de tornar os voos monopiloto um padrão de segurança, mais de 40 nações, incluindo Alemanha, Grã-Bretanha e Nova Zelândia, solicitaram a agência da ONU que estabelece padrões de aviação para assistência.

A Agência de Segurança da Aviação da União Européia (EASA) também tem trabalhado com fabricantes de aviões para determinar como a tecnologia pode ajudar a operar aeronaves comerciais com apenas um piloto a bordo. A agência prevê que comece em 2027.

Tony Lucas, capitão do Airbus A330 da Qantas e presidente da Australian and International Pilots Association, está preocupado que um piloto solitário na cabine possa ficar sobrecarregado devido a uma emergência e precise de ajuda extra.

Foi o que aconteceu quando o vôo 447 da Air France estava voando a 35.000 pés sobre o Oceano Atlântico, do Rio de Janeiro a Paris, em 1º de junho de 2009. O capitão estava descansando na cabine enquanto os dois co-pilotos na cabine começaram a receber leituras de velocidade erradas de sensores congelados fora da aeronave.

O avião estava em estol mortal quando o capitão chegou à cabine após 90 segundos. O avião atingiu a água em menos de três minutos.

As mudanças planejadas trazem muitos desafios. Ainda não está claro o que aconteceria se um piloto solitário entrasse em colapso ou começasse a voar de forma irregular. Automação, tecnologia e assistência remota do solo teriam que substituir de alguma forma a experiência, segurança e imediatismo de um segundo piloto.

A aviação vem se movendo em direção a esse ponto há décadas. Na década de 1950, os cockpits de aeronaves comerciais eram mais lotados, geralmente com um capitão, primeiro oficial ou co-piloto, um engenheiro de voo, um navegador e um operador de rádio. Os avanços na tecnologia gradualmente tornaram as últimas três posições redundantes.

“Estamos potencialmente removendo a última peça de redundância humana da cabine de comando”, escreveu Janet Northcote, chefe de comunicações da EASA, em um e-mail.

Uma condição para as operações com um único piloto é que sejam pelo menos tão seguras quanto com duas pessoas nos controles, de acordo com um pedido da UE à Organização Internacional de Aviação Civil, o órgão de padronização da aviação da ONU.

“As barreiras psicológicas são provavelmente mais difíceis do que as barreiras tecnológicas”, disse o presidente da Boeing no Sudeste Asiático, Alexander Feldman, em uma cúpula de negócios da Bloomberg em Bangkok na semana passada. “A tecnologia existe para pilotos individuais, é realmente sobre onde os reguladores e o público em geral se sentem confortáveis.”

Um primeiro passo seria permitir a pilotagem solo quando a aeronave estiver em cruzeiro, normalmente um período menos movimentado do que a decolagem e a aterrissagem. Isso permitiria que o outro piloto descansasse na cabine, em vez de ficar na cabine para ajudar a pilotar o avião.

Ao alternar as pausas dessa maneira, uma tripulação de duas pessoas poderia voar rotas mais longas sem a ajuda – e despesas – de um piloto extra.

Em última análise, voar poderia ser totalmente automatizado com supervisão mínima de um piloto no cockpit. O sistema pode detectar se o piloto por qualquer motivo ficou incapacitado e então pousar o avião sozinho em um aeroporto pré-selecionado, de acordo com a EASA. Tais voos não são prováveis ??até bem depois de 2030, disse.

O valor de ter dois pilotos na frente ficou famoso em 15 de janeiro de 2009, quando um avião da US Airways atingiu um bando de gansos logo após a decolagem e perdeu potência em ambos os motores. O capitão Chesley Sullenberger e o primeiro oficial Jeffrey Skiles juntos conseguiram pousar o Airbus A320 no rio Hudson. Ninguém morreu. O incidente ficou conhecido como o Milagre no Hudson.

Até o momento, nada se mostrou mais seguro do que “um segundo piloto descansado, qualificado e bem treinado fisicamente presente na cabine de comando”, disse a Federação Internacional das Associações de Pilotos de Linha Aérea à ICAO em um documento para sua assembléia no mês passado.

“Os passageiros de companhias aéreas esperam e merecem absolutamente dois pilotos no cockpit”, disse Joe Leader, diretor executivo da Apex, uma associação de aviação com sede em Nova York que se concentra nas experiências dos passageiros”, disse a Airbus em um e-mail que está avaliando como seus os aviões podem ser pilotados por tripulações menores.Por enquanto, a fabricante de aviões está colaborando com companhias aéreas e reguladores para ver se dois pilotos podem substituir com segurança tripulações de três pessoas em voos de longa distância.

As companhias aéreas estão analisando voos monopiloto, incluindo a China Eastern Airlines, que sofreu um acidente fatal em março. Um piloto da companhia aérea com sede em Xangai foi coautor de uma pesquisa no mês passado que avaliou como as tarefas de decolagem e pouso poderiam ser automatizadas ou concluídas com a ajuda de uma estação terrestre.

A EASA disse que está ciente das preocupações sobre o vôo solo e que resolvê-los faz parte do processo.

“Esses conceitos não serão implementados até que a comunidade da aviação esteja confortável de que as operações serão pelo menos tão seguras quanto são hoje”, disse Northcote.