Newsletter
Cadastre-se e receba nossas informações
Nome
E-mail
Digite o código abaixo
 
 
Redes Sociais
   
 
Filiado à
 
 
 

Notícias

19/09/2020

Fim dos jumbos: crise obriga companhias a aposentarem aviões com quatro motores

jumbos_00607124_0_

 Boeing 747 da holandesa KLM | Reprodução

O setor da aviação foi um dos mais afetados pela crise provocada pela pandemia do novo coronavírus. Não só as companhias aéreas foram prejudicadas, mas a situação colocou em xeque modelos de aviões comerciados usados atualmente. Os mais afetados são as aeronaves com quatro motores, como o Airbus A340 e A380 e o Boeing 747, o famoso jumbo. Várias empresas querem aposentar esses modelos para reduzir os custos.

O problema nesses aviões de quatro motores é o alto consumo de combustível, o principal custo para uma companhia aérea. Como são aeronaves de grande porte, precisam de muitos passageiros para serem lucrativos. Com a baixa procura, voar com esses modelos causa prejuízo.

Porém, essa não é uma realidade criada pela pandemia. A tendência já vinha sendo desenhada pelo mercado e apenas se acelerou durante a crise do coronavírus. Em fevereiro de 2019, a Airbus anunciou o fim da produção do A380, o maior avião de passageiros do mundo, para 2021. Mas as companhias continuavam a operar com esses modelos normalmente. Mas veio a pandemia e todos esses aviões ficaram parados.

A380

A Air France, por exemplo, não irá mais utilizar o A380 na sua frota. A australiana Qantas pretende retomar os voos com o gigante somente em 2023, quando eles acreditam que o mercado voltará ao normal. Especula-se que a alemã Lufthansa pode aposentar o modelo. Outras empresas ainda não decidiram o que fazer com seus A380.

Outro modelo de quadrimotor da Airbus que já está vendo seu fim é o A340. Ele deixou de ser produzido no início da década, mas continuava operando em algumas companhias aéreas. A espanhola Iberia pretendia usar o modelo por mais 5 anos, mas a pandemia acelerou o processo e a empresa aposentou seus 14 aviões A340-600 imediatamente.

747

Um dos mais conhecidos aviões, o Boeing 747, o famoso jumbo, é produzido há mais de 50 anos, mas já sofria falta de interesse por parte das companhias aéreas. A situação só se agravou com a pandemia. Com uma perspectiva pessimista para o futuro, a Boeing anunciou no final de julho o fim da produção do jumbo, que já foi o maior avião de passageiros do mundo, desbancado apenas pelo A380.

A Qantas e a holandesa KLM, uma das mais tradicionais companhias a usar o 747, aproveitaram a crise e aposentaram seus jumbos. A Alemã Lufthansa, única empresa que ainda opera o modelo em voos de passageiros no Brasil, também pode anunciar a aposentadoria do modelo.

FUTURO

Em busca de aeronaves mais econômicas, as empresas têm preferido usar aviões bimotores. Eles consomem menos combustível e precisam de menos passageiros para o voo ser lucrativo.

O foco principal dos aviões de dois motores é a alta performance, com a redução de consumo de combustível. O Boeing 777 é o maior bimotor do mundo com capacidade de passageiros bem próxima a do 747.

Entre os mais modernos, o Boeing 787 ganhou espaço por ser eficiente. Segundo a empresa, o modelo consome 20% menos combustível que os similares. Na Latam, a capacidade do 787-9 é para 313 passageiros.

Na Airbus, o A350 tem ganhado destaque na substituição dos quadrimotores. O modelo é utilizado na rota mais longa do mundo, entre Singapura e Nova Iorque. Na versão de ultra longo alcance da Singapore Airlines, são apenas 161 lugares. Na capacidade padrão da Latam, são 339 passageiros.

 

 
 
Parceiros
SINDICATO DOS AEROVIÁRIOS NO ESTADO DE SÃO PAULO
Av. Washington Luis, 6979 - Santo Amaro - CEP 04627-005 - São Paulo / SP
Fone (11) 5536-4678