Newsletter
Cadastre-se e receba nossas informações
Nome
E-mail
Digite o código abaixo
 
 
Redes Sociais
   
 
Filiado à
 
 
 

Notícias

18/04/2018

Operações aéreas entre Brasil e EUA caminham para avanço

As operações aéreas entre o Brasil e os Estados Unidos aumentaram significativamente no último ano, à medida que a economia brasileira tem avançado para se recuperar da recessão econômica enfrentada nos últimos anos. Enquanto isso, a regulação do País tem dados alguns passos a fim de atrair um número cada vez maior de visitantes estadunidenses.

De acordo com um levantamento feito OAG, empresa britânica de análise de dados de voos, ao todo foram 1.001 voos operados entre os dois países apenas em fevereiro — número 26% maior que o registrado no mesmo período em 2017. O salto vem como uma boa notícia para o Turismo brasileiro, visto que os Estados Unidos seguem como o segundo maior mercado de origem dos turistas internacionais, atrás somente da Argentina.

Apesar disso, segundo a Embratur, somente no ano passado foram 475 mil chegadas de norte-americanos no País. O número ainda é inferior ao obtido em 2015, quando foram contabilizados 576 mil. O total de frequência de voos entre os Estados Unidos e o Brasil em fevereiro, apesar do aumento acentuado em relação ao ano anterior, ainda caiu mais de 10% em relação ao pico anterior à recessão brasileira, em 2015.

E-VISA

Marluce Balbino
O ministro do Turismo, Vinícius Lummertz
O ministro do Turismo, Vinícius Lummertz

Em contrapartida, o atual ministro do Turismo, Vinícius Lummertz, afirma estar otimista com as visitas internacionais — sobretudo com o serviço de vistos eletrônicos. “As medidas que estamos tomando agora são coisas que faltaram no passado”, afirmou.

“Durante a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos, ainda tínhamos um antigo sistema de vistos e não mantínhamos uma política de céus abertos e nem a permissão de investimento estrangeiro em companhias aéreas”, pontuou o ministro.

CÉUS ABERTOS
Para o analista da OAG, John Grant, a política de céus abertos terá poucos impactos imediatos. O analista pontua que os principais desenvolvimentos recentes do mercado de aviação brasileiro advêm de apenas duas companhias: Avianca Brasil e Azul Linhas Aéreas.

“A primeira, no ano passado, lançou no ano passado voos do Rio de Janeiro a Nova York e Miami. Enquanto isso, a Azul duplicou a capacidade no mercado dos Estados Unidos com a adição de rotas e frequências a Fort Lauderdale e Orlando”, explica Grant.

Contudo, o acordo poderá ter um impacto substancial a longo prazo. Além de aumentar os limites de capacidade e facilitar os impostos e taxas, a joint ventureentre American Airlines e Latam poderá avançar. As operadoras solicitaram imunidade antitruste para comercializar, agendar e operar vosso entre os Estados Unidos, Canadá e outros seus países da América do Sul: Brasil, Chile, Colômbia, Paraguai, Peru e Uruguai.

Sobre o assunto, Lummertz pontua que as mudanças nas restrições à posse das companhias brasileiras, por sua vez, poderiam abrir caminho para o lançamento de low costs, semelhante à Jet Smart, lançada no Chile no ano passado.

 
 
Parceiros
SINDICATO DOS AEROVIÁRIOS NO ESTADO DE SÃO PAULO
Av. Washington Luis, 6979 - Santo Amaro - CEP 04627-005 - São Paulo / SP
Fone (11) 5536-4678