Newsletter
Cadastre-se e receba nossas informações
Nome
E-mail
Digite o código abaixo
 
 
Redes Sociais
   
 
Filiado à
 
 
 

Notícias

10/09/2017

Sabena (Bélgica)

A Sabena foi fundada em 23 de maio de 1923 com o nome de Societe Anobenanyme Belge de Exploitation de la Navegation Aerinne. A companhia aérea foi criada pelo governo belga após a sua antecessora SNETA, criada em 1919 para exploração de voos comerciais na Bélgica, cessar operações. Sabena operou seu primeiro voo comercial de Bruxelas para Londres (Reino Unido) em 1 de julho de 1923, via Ostend. Os serviços para Roterdã (Holanda) e Estrasburgo (França) foram lançados em 1 de abril de 1924. O serviço de Estrasburgo foi estendido a Basileia (Suíça) em 10 de junho de 1924. Amsterdã (Holanda) foi adicionada em 1 de setembro de 1924 e Hamburgo (Alemanha) seguiu em 1 de maio de 1929, através de Antuérpia, Düsseldorf e Essen.

Na Europa a Sabena abriu serviços para Copenhague e Malmö em 1931 e uma rota para Berlim foi iniciada em 1932. O principal avião que a Sabena usava na Europa era o Junkers Ju-52/3m. Enquanto o aeroporto de Bruxelas Haren era a base principal da Sabena, a empresa também operava serviços de outros aeroportos belgas e tinha uma rede doméstica que era usada principalmente por empresários que queriam estar em suas casas costeiras no final de semana. Em 1938, a companhia aérea comprou o novo Savoia-Marchetti SM.83, um desenvolvimento da S.M. 73 com uma velocidade de 435 km/h (270 mph), embora tenha voado em serviços a uma velocidade de cruzeiro de cerca de 400 km/h (250 mph).

No início da Segunda Guerra Mundial, em 1939, a frota da Sabena totalizava 18 aeronaves. Sua principal aeronave era o Savoia-Marchetti SM.73 (eles tinham 11 do tipo) e o avião Junkers Ju-52/3m (eles tinham cinco). A Sabena também havia recebido dois Douglas DC-3s. Durante a guerra, a companhia aérea conseguiu manter suas rotas do Congo Belga, mas todos os serviços europeus cessaram.

Após a guerra, em 1946, a Sabena retomou o funcionamento de uma rede de serviços regulares intra-europeus. Inicialmente, a frota consistia principalmente em Douglas DC-3. Havia milhares de excêntricos C-47 Dakotas (a variante militar do DC-3) disponíveis para ajudar as companhias aéreas a reiniciar as operações após a guerra. A companhia aérea agora voou sob o nome de SABENA – Belgian World Airlines.

Sabena iniciou sua primeira rota transatlântica para a cidade de Nova York em 4 de junho de 1946, inicialmente usando aviões Douglas DC-4 e depois substituídos por Douglas DC-6B. Os DC-4, seguidos pelos DC-6, também reiniciaram a rota tradicional da companhia aérea para o Congo Belga. A Sabena foi a primeira companhia aérea a introduzir horários transatlânticos do norte da Inglaterra, quando o DC-6B, prefixo OO-CTH, inaugurou sua rota Bruxelas-Manchester-Nova York em 28 de outubro de 1953.

O Convair 240 foi introduzido em 1949 para substituir parcialmente os DC-3 que até então tinham navegado a maioria dos serviços europeus. A partir de 1956, os gêmeos “Metropolitan” da Convair 440 começaram a substituir os gêmeos Convair 240 e foram utilizados com sucesso na década de 1960 entre destinos regionais europeus.

Em 1957, o Douglas DC-7C de longo alcance foi introduzido para rotas de longo curso, mas este avião começaria a ser suplantado após apenas três anos pela idade do jato. Permaneceu em serviço na rota transatlântica até 1962. Em 1958 a Sabena alugou dois Lockheed Super Constellations da Seaboard World Airlines, usando-os principalmente em rotas transatlânticas. No mesmo período, houve experimentos com o serviço de passageiros de helicópteros usando o avião Sikorsky S-58 de Bruxelas para Antuérpia, Rotterdam, Eindhoven e o heliporto de Paris em Issy-les-Moulineaux.

Em 1960 viu a introdução do jato intercontinental Boeing 707-320 para vôos transatlânticos para Nova York. A SABENA era a primeira companhia aérea da Europa continental a operar um jato através do Atlântico. Tragicamente, um dos aviões da SABENA tornou-se o primeiro Boeing 707 a falhar no serviço comercial quando o voo 548 caiu enquanto se preparava para aterrissar em Bruxelas em 15 de fevereiro de 1961. Para as rotas de média distância foram adquiridos seis aviões Caravelle em fevereiro de 1961, sendo que operou na maioria das rotas ao lado dos Convair 440 até o início da década de 1970.

O Douglas DC-6B permaneceu em serviço com a Sabena até meados da década de 1960, embora não estivessem mais sendo utilizados ​​nas rotas principais da companhia aérea. Os Boeing 707 e Caravelles tornaram-se os principais aviões durante esta década.

O Boeing 727-100 foi introduzido em importantes rotas europeias e também alguns serviços africanos a partir de 1967. Neste momento, o Fokker F-27 entrou em serviço entre aeroportos belgas regionais e destinos europeus, como London Heathrow.

Em 1971 a companhia passou a utilizar o Boeing 747-100 em rotas transatlânticas que voam ao lado dos Boeing 707-320C, especialmente New York JFK, e a partir de meados da década de 70, Chicago O’Hare. A Sabena comprou apenas dois jatos jumbo Boeing 747-100 de primeira geração e eles continuaram a voar com o 707 até o final da década de 1970.

A partir de 1973, os Boeing 727 na rede europeia começaram a ser substituídos pelo Boeing 737-200. O Douglas DC-10-30 entrou em serviço em 1974. No total, a Sabena comprou cinco desses jatos de aviões de aviões combi (passageiros e / ou fretes).

Em 1984 os Airbus A310 foram introduzidos em rotas com alta densidade de passageiros.

Um novo nome e pintura da Sabena World Airlines foram introduzidas na década de 1990. A nova libré tinha uma cor branca geral e o logotipo da cauda do círculo branco em azul na barbatana. Um grande título “Sabena” cobriu a fuselagem em azul claro e o nome “Belgian World Airlines” era às vezes apenas visível, embora o título também fosse pintado na fuselagem em letras pequenas e claras.

Na década de 1990, houve nova renovação do tipo da frota: os Douglas DC-10-30 foram substituídos pelo Airbus A330 e o Boeing 747 pelo Airbus A340.

Após a liberalização do setor aéreo em toda a Europa e as consequências econômicas da Guerra do Golfo, o governo belga, o principal acionista da empresa, percebeu que a Sabena teria poucas chances de sobreviver sozinha neste mercado muito competitivo e começou a procurar por um parceiro adequado.

A Sabena permaneceu em um estado financeiro precário e, ano após ano, o governo belga tinha que cobrir as perdas, mas no entanto, foi impedido de fornecer novos fundos devido às regras da UE em matéria de auxílios estatais.

Por volta de 1987, a SAS tentou fundir-se com a transportadora, mas a fusão foi bloqueada pelas autoridades belgas. Em 1989, a British Airways e a KLM compraram participações na Sabena, que depois foram vendidas de volta ao governo belga. Em 1993, a Air France comprou uma participação minoritária na Sabena, que vendeu pouco depois. Finalmente, em 1995, a Swissair comprou uma participação de 49% na Sabena e assumiu a administração.

Em março e abril de 1998, duas aeronaves McDonnell-Douglas MD-11, ambas arrendadas da CityBird, juntaram-se à frota e os destinos de longa distância como Newark, Montreal e São Paulo foram introduzidos. A rota Bruxelas – Guarulhos iniciou oficialmente em maio de 1998, duas vezes por semana. Seus voos para o Brasil duraram até 1999.

Em 2000 a Sabena incorporou a frota os Airbus A319, A320 e A321. Estes novos aviões faziam parte de uma encomenda de 34 aeronaves da família Airbus A320, impostas a Sabena quando sob a gestão da Swissair.

Após uma recessão aérea e os efeitos sobre a indústria aérea dos ataques de 11 de setembro de 2001, todas as companhias aéreas que voavam pelo Atlântico sofreram. A Swissair prometeu investir milhões na Sabena, mas não conseguiu fazê-lo, em parte porque a companhia aérea teve problemas financeiros em si, tendo declarado falência um mês antes.

A empresa solicitou proteção legal contra seus credores em 3 de outubro e entrou em liquidação em 6 de novembro de 2001. Fred Chaffart, presidente do conselho de administração da Sabena, leu uma declaração neste dia para explicar a decisão.

Em 7 de novembro de 2001, foi o último dia de operações da Sabena. O vôo 690 de Abidjan, Costa do Marfim, para Bruxelas através de Cotonou, Benin, foi o último voo da Sabena a pousar em Bruxelas. Um Airbus A340-300, prefixo OO-SCZ, operou o vôo.

Um grupo de investidores conseguiu assumir a Delta Air Transport, uma das subsidiárias da Sabena, e a transformou em SN Brussels Airlines. Essa companhia aérea se fundiu com a Virgin Express em 2006 em uma nova empresa, a Brussels Airlines.

 
 
Parceiros
SINDICATO DOS AEROVIÁRIOS NO ESTADO DE SÃO PAULO
Av. Washington Luis, 6979 - Santo Amaro - CEP 04627-005 - São Paulo / SP
Fone (11) 5536-4678