Newsletter
Cadastre-se e receba nossas informações
Nome
E-mail
Digite o código abaixo
 
 
Redes Sociais
   
 
Filiado à
 
 
 

Imprensa Sindical

25/02/2014

AEROVIÁRIOS DE SÃO PAULO COMEÇOU A CAMPANHA SALARIAL

Aconteceu dia 17 de outubro, a primeira reunião da campanha salarial, na sede do Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias-SNEA, no Rio Janeiro; contando com a participação do SAESP e dos sindicatos dos aeroviários do Rio de Janeiro, Paraná, Minas Gerais, Bahia, Brasília, Ceará, Pará, Goiás, Campinas, Rio Grande do Norte, Espírito Santo e Região Amazônica; todos sob a coordenação da Federação Nacional dos Trabalhadores em Transportes Aéreos, filiada à Força Sindical.

Foi definido calendário de reuniões para a campanha, contemplando as seguintes datas: uma reunião em outubro, no dia 30; três reuniões em novembro, nos dias 6, 12 e 27; e uma reunião no dia 4 de dezembro, data sinalizada pelo sindicato patronal como a última para fechar as negociações.

Esta campanha será realizada num momento muito especial, às portas da COPA DO MUNDO, evento que já está trazendo polpudos lucros para as empresas; considerando os noticiários dos jornais, que informam que as passagens aéreas durante o evento, custarão dez vezes que os preços atuais.

Segundo a “Folha de São Paulo”, o turista que quiser sair do Rio e ir a São Paulo para assistir ao jogo de abertura da Copa, em 12 de junho de 2014, pagará R$ 2.393,00 (ida e volta na TAM). Por outras empresas, o preço é igualmente alto na ponte aérea durante a Copa. Na Avianca, o bilhete de ida e volta custa R$ 1.893,00 e na Gol, R$ 1.673,00. Diz a mesma matéria que o “fator Copa” no preço das passagens se dá em outras fases do torneio. Por exemplo, ir de São Paulo a Belo Horizonte para ver uma partida das oitavas-de-final, em 28 de junho, custa R$ 2.719,00 na TAM, a partir de Congonhas, significando 1.128% mais salgado do que o preço para maio, antes da Copa: R$ 241,00.

 

PASSAGEM AÉREA SOBE 16,09%

Os preços de alimentos, vestuário, serviços, itens de habitação tem subido e os salários não conseguem acompanhar o impacto da inflação nos preços ao consumidor. A grande novidade no processo inflacionário ficou por conta do aumento do preço das passagens aéreas, que subiu 16,09% no mês de setembro.

Eulina Nunes dos Santos, coordenadora de Índices de Preços do IBGE, disse à Folha de São Paulo, que mesmo em período de baixa temporada, a demanda por passagens aéreas ficou aquecida por conta de dois eventos que movimentaram muitos turistas: o Círio de Nossa Senhora de Nazaré, em Belém, e o festival de música Rock in Rio.

O cenário econômico brasileiro está bastante complicado e para analistas, os próximos meses serão de taxas mais elevadas de inflação, já que os alimentos tendem a acelerar e não mais poderá se contar com ajuda da retirada dos aumentos dos ônibus –item de grande peso no IPCA. De quebra, está em vista um aumento de, ao menos, 5% da gasolina em outubro. Para 2013, analistas estimam um índice muito próximo do teto da meta (6,5%). A maioria das previsões varia de 6,2% a 6,5%.

O resumo da ópera é que os trabalhadores vêm perdendo o poder aquisitivo e as categorias profissionais que estão em campanha salarial, buscam de todas as formas recuperar o terreno perdido. É por estas e outras que reivindicamos o reajuste salarial correspondente a 100% do INPC e mais 5% a título de produtividade. Também pleiteamos o pagamento de PPR, o ABONO COPA, o pagamento dos adicionais de insalubridade/periculosidade e a redução da jornada para 40 horas semanais.

O presidente do SAESP, Mandú, pondera que “com as vendas e os preços em alta, não haverá motivo para as empresas virem com choradeira pra cima dos trabalhadores; ao contrário, elas terão a grande oportunidade de reconhecerem o elevado profissionalismo e a produtividade de todos os seus funcionários, para o quais o FATOR COPA também terá de prevalecer”.

Mandú arremata lembrando:

“A COPA DO MUNDO

COMEÇARÁ PELOS AEROPORTOS”

 
 
Parceiros
SINDICATO DOS AEROVIÁRIOS NO ESTADO DE SÃO PAULO
Av. Washington Luis, 6979 - Santo Amaro - CEP 04627-005 - São Paulo / SP
Fone (11) 5536-4678