Newsletter
Cadastre-se e receba nossas informações
Nome
E-mail
Digite o código abaixo
 
 
Redes Sociais
   
 
Filiado à
 
 
 

Espaço Mulher

26/02/2016

Mães com zika podem amamentar filhos

Rio - Mulheres contaminadas com o vírus Zika podem seguir amamentando seus bebês. Embora o agente infeccioso já tenha sido detectado no leite materno de duas mães, não há nenhuma prova de risco de transmissão de novas doenças. A conclusão é da Organização Mundial da Saúde (OMS), em seus comunicados dirigidos às autoridades dos países afetados pela epidemia.

Além da microcefalia, transmitida durante a gestação, o vírus é o causador da Síndrome de Guillain-Barré, doença neurológica que pode levar à paralisia irreversível e morte. Até o momento, 43 pessoas apresentaram sintomas dessa doença. A recomendação da OMS tenta tranquilizar as mães infectadas pelo mosquito Aedes aegypti. Só no Estado do Rio, 176 mulheres tiveram testes positivo para o vírus zika, mas ainda não há confirmação se os fetos apresentam microcefalia ou outra sequela neurológica. De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde, todas as mulheres serão acompanhadas até o fim da gestação.

Bebê com microcefalia: mãe teve doença semelhante à zika na gravidez

Foto: Daniel Castelo Branco / Agência O Dia

Segundo o último boletim divulgado nesta quinta-feira pelo órgão, o estado recebeu 4 746 notificações de grávidas com manchas no corpo, desde 18 de novembro passado, quando esse tipo sintoma passou a ser de registro obrigatório. Não foi informado quantas mulheres já tiveram bebê nem quantas ainda estão sob acompanhamento. Até a semana anterior, o órgão havia recebido 4.152 notificações. Houve um aumento de 14% no total de registros da doença. 

Entre 1º de janeiro de 2015 e 20 de fevereiro, dois casos de microcefalia associados a infecções congênitas foram confirmados no estado. No total, 250 casos da doença estão sendo investigados.

O subsecretário de Vigilância em Saúde, Alexandre Chieppe, ressalta que o número de registros de grávidas com suspeita de zika caiu nas últimas seis semanas. “Estamos observando desaceleração do número de novos casos e queremos entender o que está acontecendo, porque ainda há transmissão intensa de zika na população em geral”, diz. A hipótese levantada por ele é de que as grávidas estejam intensificando medidas de proteção individual, como uso de repelentes.

Vírus causa novos danos

Além da microcefalia, o vírus Zika parece ser capaz de causar também anomalias fora do sistema nervoso central em bebês de mães infectadas. Estudo divulgado nesta quinta-feira, por pesquisadores brasileiros e americanos reforça a suspeita de que o Zika esteja ligado à ocorrência de hidropsia (acúmulo de líquido no corpo do bebê e inchaço sob a pele) e à morte do feto. A pesquisa acompanha uma centena de crianças nascidas com microcefalia, desde 31 de outubro do ano passado.

Gestantes do Bolsa Família receberão repelentes

O ministro da Saúde, Marcelo Castro, anunciou nesta quinta-feira no Senado, a transferência de R$ 300 milhões para a compra de repelentes, que serão distribuídos para gestantes atendidas pelo programa Bolsa Família. A estratégia tem como objetivo reduzir os riscos de casos de zika entre grávidas e de bebês com microcefalia. 

Embora não haja uma afirmação de organismos internacionais de saúde, para o governo brasileiro está certa a relação entre o aumento de casos da má-formação com a transmissão do vírus.
Castro se referiu ao momento pelo qual o País passa como um dos mais difíceis da saúde pública brasileira e mundial. “Não é à toa que a última vez que o Brasil havia declarado emergência pública foi em 1917, com a gripe espanhola”, disse o ministro, que descartou a vacina da dengue produzida pela empresa Sanofi Pasteur no SUS. “Isso precisa de análise mais detalhada. Não há prazo para essa decisão ser tomada”.

 
 
Parceiros
SINDICATO DOS AEROVIÁRIOS NO ESTADO DE SÃO PAULO
Av. Washington Luis, 6979 - Santo Amaro - CEP 04627-005 - São Paulo / SP
Fone (11) 5536-4678