Newsletter
Cadastre-se e receba nossas informações
Nome
E-mail
Digite o código abaixo
 
 
Redes Sociais
   
 
Filiado à
 
 
 

Espaço Mulher

14/03/2014

Ministério homenageia mulheres do mundo esportivo

Elas já dominam quase todas as áreas do esporte e em várias delas brilham e se transformam em verdadeiras estrelas, às vezes, contempladas por multidões de espectadores, que compartilham o sonho da vitória brasileira. O dia a dia dessas talentosas guerreiras é de muita batalha, treinamento e disciplina, sempre em busca de bons resultados, e títulos. Essas mulheres comemoram neste sábado (8) o Dia Internacional da Mulher.

O Ministério do Esporte trabalha diariamente para fortalecer as políticas públicas de esporte, dando apoio às modalidades olímpicas e paraolímpicas, incentivando o futebol feminino, atualmente em evolução no país. A modalidade alcançou expressivos resultados nos últimos anos, com a performance da atacante Marta Vieira da Silva, escolhida como a melhor futebolista do mundo por cinco vezes consecutivas, um recorde entre mulheres e homens.

Após grandes exibições e, principalmente, nos Jogos Pan-Americanos de 2007, Marta chegou a ser comparada a Pelé, sendo chamada pelo mesmo de o “Pelé de saias”. A alagoana declarou que se emocionou ao saber que o rei acompanhou os jogos da seleção feminina. Marta também entrou na calçada da fama do Maracanã sendo a primeira e, até agora, a única mulher a deixar a marca dos pés neste local.

As atletas brasileiras têm se destacado em diversas modalidades, em todos os torneios que participam. Bolsistas dos programas Bolsa-Atleta ou Bolsa-Pódio, do Ministério do Esporte, conquistaram o mundo com garra e talento.

 A pentatleta brasileira, Yane Marques é a única detentora de medalha olímpica no pentatlo moderno na América Latina e no hemisfério Sul. Yane foi medalha de bronze nos Jogos Olímpicos de Londres 2012, e recebeu o certificado da Bolsa Atleta Pódio, programa que faz parte do Plano Brasil Medalhas 2016.

Poliana Okimoto participou do Campeonato Mundial de Nataçãoem Piscina Curtade 2002, em Moscou, onde ficou em 18º lugar nos800 metroslivres. Em 2005, venceu a Travessia dos Fortes. Competiu na primeira aparição da modalidade nos Jogos Pan-Americanos de 2007, no Rio de Janeiro, quando recebeu a medalha de prata na prova de10 km, sendo a primeira medalha brasileira desta edição. Nas Olimpíadas de Pequim, 2008, Poliana chegou em 7º lugar na prova da maratona aquática feminina.

Em 2009, Poliana venceu a Copa do Mundo de maratona aquática, vencendo 9 das 11 etapas disputadas, tornando-se a primeira brasileira campeã da modalidade. No Campeonato Mundial de Esportes Aquáticos de 2009, obteve a medalha de bronze na Maratona Aquática de5 km, quebrou um jejum de 15 anos para o Brasil no Mundial, e se tornou a primeira mulher brasileira a ganhar uma medalha na história da competição. Nos Jogos Pan-Americanos de 2011, Poliana repetiu o resultado de 2007 e novamente obteve a prata na prova de10 km. Participou das Olimpíadas de Londres 2012, mas foi desclassificada.

No Campeonato Mundial de Esportes Aquáticos 2013, em Barcelona, Poliana obteve um desempenho histórico. Primeiro, ganhou a medalha de prata na Maratona Aquática de5 km, fazendo dobradinha com a brasileira Ana Marcela Cunha, que ganhou o bronze. Poucos dias depois, se tornou campeã mundial, conquistando a medalha de ouro na prova de10 km, novamente fazendo dobradinha com Ana Marcela Cunha, que obteve a prata. Ganhou, ainda, a medalha de bronze, na prova por equipes com Allan do Carmo e Samuel de Bonna, fechando sua campanha no Campeonato Mundial de Esportes Aquáticos de 2013 com três medalhas.

A ponta do handebol feminino Alexandra Nascimento conquistou o 6º lugar nos Jogos Olímpicos Londres 2012, 5ª colocada no Mundial do Brasil, em 2011, ouro nos Jogos Pan-Americanos Guadalajara 2011, Rio 2007 e Santo Domingo 2003, 9ª colocada nos Jogos Olímpicos Pequim 2008, 7ª colocada nos Jogos Olímpicos Atenas 2004, 7ª colocada no Mundial da Rússia (2005).

Conquistou o título, inédito para o Brasil, de melhor jogadora do mundo de 2012, em eleição feita pela Federação Internacional. Em Londres 2012, ajudou a seleção a realizar sua melhor campanhaem Jogos Olímpicos, o que valeu uma vaga no "Time das Estrelas". Seu clube é o Hypo, da Áustria. Começou a jogar aos 10 anos e tem sido presença constante na seleção.  Marcou 18 gols em Atenas 2004.

Rafaela Silva foi criada na cidade de Deus, no Rio de Janeiro, em 2008, ganhou uma das etapas da Copa do Mundo de judô  e tornou-se campeã mundial sub-20. Em 2011, para competir nos  Jogos Pan-Americanos de Guadalajara, no México, desbancou Ketleyn Quadros,  a primeira brasileira a subir ao pódio no judô nos Jogos Olímpicos. Ganhou a medalha de prata na categoria até57 kg. Ainda em 2011, foi vice-campeã mundial adulta em Paris 2011, com apenas 19 anos de idade.

Nos Jogos Olímpicos de Verão 2012  em Londres, Rafaela foi desclassificada pelos juízes na segunda rodada por um golpe ilegal. Ainda em 2012, em dezembro, foi medalhista de bronze no Grand Slam de Tóquio (categoria até 63kg).

2013 foi um ano de glórias para a judoca. Em abril, logrou a medalha de ouro no Pan Americano de Judô. Em agosto, Rafaela entrou para a história do Judô brasileiro ao tornar-se a primeira brasileira a se sagrar campeã Mundial de Judô, vencendo na final a americana Marti Malloy.

Terezinha Aparecida Guilhermina é atleta paraolímpica velocista brasileira, especializada nas corridas de100 metrosrasos,200 metrosrasos e400 metrosrasos. Terezinha possui uma deficiência congênita, a retinose pigmentar, que fez perder com o tempo a pouca visão que tinha. Devido à deficiência visual (cegueira total), está classificada nas  classe T1 ou classe T2 dos corredores paraolímpicos. No ano de 2006 foi eleita atleta paralímpica do ano, pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB). Em 2007 prestou o juramento do atleta olímpico na abertura dos Parapan Rio 2007. Recebeu o prêmio Laureus do Esporte Mundial, como melhor esportista com deficiência do ano.

A atleta Fabiana de Almeida Murer é campeã mundial, recordista brasileira e sul-americana do salto com vara. O recorde sul-americano foi quebradoem San Fernandoem 4 de junho de 2010, durante a disputa do Campeonato Ibero-Americano. Fabiana Murer também possui o recorde sul-americano indoor (pistas cobertas), com a marca de4,82 m, obtidos no Grand Prix Indoor de Birmingham, na Inglaterra, em 20 de fevereiro de 2010, superando a campeã mundial Anna Rogowska. Nos Jogos Pan-Americanos de 2007, quebrou o recorde da competição, com a marca de4,60 m. É considerada uma das saltadoras mais técnicas do circuito internacional.

 
 
Parceiros
SINDICATO DOS AEROVIÁRIOS NO ESTADO DE SÃO PAULO
Av. Washington Luis, 6979 - Santo Amaro - CEP 04627-005 - São Paulo / SP
Fone (11) 5536-4678